quarta-feira, julho 25, 2007

Louvado seja o génio da noite

Lenta declina a luz e a noite vai
Entrando azul no tardo entardecer
Vaga e intérmina uma folha cai;
Subtil suspira um deus nesse descer.

De uma névoa lilás a lua sai
E quebra-se no mar sem se mover.
Sons e cores, vibrações, tudo se esvai
Num lânguido desejo de morrer.

Castidade da noite absoluta,
Num galho imaterial um silfo escuta
O segredo das flores que estão sonhando.

Êxtase. A eternidade passa perto.
Gotejam astros. O mundo está deserto.
Só eu existo, fantástica... esperando...


Natália Correia

Encontrei este soneto num livro que me foi oferecido este ano e resolvi transcrevê-lo para aqui não só porque retrata um pouco a minha situação, mas também para dar um pouco de ar de literatura - e neste caso de uma grande poetisa - ao meu blog... Espero que gostem!

5 comentários:

kitty disse...

É bom voltar e encontrar boas notícias!!!
Estou a torcer por esse positivo!

Beijinho

Tixa disse...

Lindo!!!! Olha que qd voltar de férias quero um positivo tá?
Um bj enorme quase de férias

Anna72 disse...

Um poema muito bonito!

E que a tua espera tenha um resultado fantástico ;)

Beijocas

Maria disse...

Muito bonito sim!

Beijocas e bom fim de semana

Maria Pereira

www.era1xeu.blogs.sapo.pt

Bem Me Queres disse...

Adorei!
Esperar? É o que tão bem sabemos fazer....
Bjs docinhos e boa semana